Um dia para recordar!

Um dia para recordar!

11/03/2017 Educação Profissional 0
Compartilhar

Onde vais tu, esbelto infante
com teu fuzil lesto a marchar?
Cadência certa, o peito arfante,
Onde vais tu a pelejar?
Pra longe eu vou a pátria ordena
sigo contente o meu tambor,
Cheio de ardor, Cheio de ardor
Pois quando a pátria nos acena
se vive só da própria dor.
[…] Olavo Bilac

Encontrei o texto abaixo, no Blog da Renata, e, a foto, no Blog Plantão Policial MG.

Li o texto e lembrei-me dos bons tempos, quando cantávamos o poema composto por Olavo Bilac.

Destaquei acima a primeira estrofe da música que, naquela época, no final da Década de 60, era denominada “Alegre Recruta”. Cantávamos garbosamente, no pátio, do então Batalhão Escola, que é o mesmo destacado na foto.

Hoje, pensando no tempo que se foi, posso afirmar: valeu a pena!

 

UM DIA PARA RECORDAR

 

Há exatamente uma semana, no dia 01-03-2016, se iniciava na Escola de Formação de Soldados (EFSD) da Academia da POLÍCIA MILITAR de Minas Gerais (APM-MG), o Curso de Formação de Soldados do Quadro de Praças da Polícia Militar (CFSD-QPPM), um momento emocionante, especial e, sobretudo, INESQUECÍVEL na vida de muitos que ali estavam, inclusive eu!
A primeira chamada dos ‘’recrutas’’ do CFSD estava marcada para as 07h30min AM, e eu como uma pessoa prestativa que sempre fui (rsr), me ofereci para levar meu irmão gêmeo e então ‘’novo’’ Soldado de 2ª CLASSE da PMMG Douglas Henrique para seu primeiro dia de curso, ora, não poderia perder esse momento por nada! OBS: O ‘novo’ entre aspas refere-se ao fato de que meu outro irmão, o mais velho, é recém formado nas fileiras da PMMG.
Pois bem, logo na entrada da APM já tive uma surpresa: Despedi-me de meu irmão, dei ‘meia volta’ e quando dava os primeiros passos pra ir embora, a Oficial que estava ali no portão de entrada recepcionando os novatos me pergunta o porquê de eu estar ali, se eu era Militar, parente ou acompanhante de alguém que adentrava por aquele portão. Respondi que além de acompanhante, eu era irmão de um dos recrutas, foi quando a Oficial (muito simpática por sinal) disse:
– Por que está indo embora? Entre, vai lá ver seu irmão!
Fiquei surpreso com aquilo, pois não é normal a entrada de civis naquele local, a não ser que esse seja uma autoridade, o que de fato, não era o caso.
Tendo recebido o convite formal para entrar, fui passando em meio aos recrutas até chegar à parte superior do pátio principal da EFSD, onde estavam mais ou menos uma dúzia de outros parentes e acompanhantes, dentre eles, militares e civis (mais militares que civis). Logo na chegada ao meu local, de frente para os recrutas (mais ou menos mil), que já estavam em formação, ‘saquei’ meu celular e comecei a registrar aquele momento com várias fotos e vídeos, principalmente do pelotão em que estava meu irmão, claro.
Nessa hora, já estava todo cheio de orgulho e emoção por ver meu irmão (e alguns amigos meus) ali de pé, em posição de ‘sentido’, de BOJEANS (blusa branca e calça jeans azul marinho) no meio de vários novos militares, sendo agraciado por essa benção divina e realizando seu sonho antigo, depois de ter sido eliminado na última etapa do concurso anterior… Mas é como dizem, “tudo tem sua hora”, e enfim, chegou a hora dele!
Continuando, observei um dos alunos, no canto direito do pátio, que mesmo em forma, olhava pro ‘nada’, balançava a cabeça e sorria sozinho, com uma expressão de felicidade e agradecimento, às vezes por ter superado fatores externos e a si mesmo para poder agora estar ali, ombreando com aqueles tantos outros jovens, que com certeza lutaram bastante até que chegasse ‘o grande dia’ (e que dia!)…
Depois de alguns minutos ali em pé observando os militares veteranos ‘’organizando’’ a nova tropa, nós, os acompanhantes, fomos convidados pessoalmente pelo Sr. Cel chefe da APM, Eduardo Cezar Reis, a subir no ‘altar’ principal daquele pátio para poder, como ele próprio disse, ter a mesma visão que todos aqueles oficiais tinham dos novos soldados. Nossa, quanta surpresa e honra foi ter recebido mais esse convite, porém, fiquei meio receoso de subir ao palanque, pois como disse anteriormente, fui pego de surpresa logo na primeira chamada para entrar na Academia, principalmente pelo fato de eu não estar nem um pouco vestido a caráter. Mas isso não me impediu de subir e agraciar aquela solenidade com uma visão ‘privilegiada’.
Tudo estava correndo normalmente, sem, contudo, deixar de ser emocionante. Daí, uma parte da banda da PM formada por alunos do Quadro de Praças Especialistas (QPE), que já estava em formação, começou a tocar a Canção Oficial da PMMG… Nesta hora foi forte a vontade de chorar largado, pois vi o semblante de emoção em que meu irmão estava. Até eu, que ainda nem sou Militar me emociono muito toda vez que ouço esse hino, imaginem ele naquela hora, cantando em pensamento, sabendo que agora ele é um dos ‘’Filhos de Minas’’… :’D
Depois disso, fomos novamente convidados, desta vez pelo Sr. TenCel Welerson, comandante da EFSD, juntamente com outros(as) oficiais, inclusive uma psicóloga, Oficial da saúde da PMMG, a acompanhá-los para o auditório da Escola de Formação e Aperfeiçoamento de Sargentos (EFAS), no qual foi apresentado a nós, convidados, o que aconteceria no CFSD, dentre outras coisas pertinentes. Os oficiais que nos receberam foram super atenciosos conosco, tiraram dúvidas, conversaram, contaram histórias e até riram com a gente, o que nos deixou bem à vontade. Em especial o TenCel Welerson, que apesar de sua serenidade e sua postura reta, típicas de um comandante, foi super gentil com todos. Rolou até um cafezinho com biscoitos depois… kkkk
Após esse momento de descontração, saímos com os oficiais para fazer um tour pela Academia. Passamos pelas salas de aula dos alunos do Curso de Formação de Sargentos (CFS), pelo Regimento de Cavalaria Alferes Tiradentes (RCAT) e quando estávamos a caminho da sala de música da orquestra da PM, um dos acompanhantes, Tenente do Corpo de Bombeiros que estava conosco, avistou seu filho em meio a um pelotão que marchava por ali, e disse ao comandante que aquele jovem era seu filho. Foi quando esse o chamou dizendo:
– Vem cá, recruta! Venha ‘tomar benção’ do seu pai!!!
E num gesto de ousadia e respeito para com seu superior direto, o recruta, filho do Tenente BM, mostrou que o militarismo está mesmo correndo em suas veias e disse ao TenCel: ‘’Militar não toma benção, senhor!’’ E tendo dito isso, se apresentou devidamente, em posição de ‘sentido’ ao comandante e depois ao seu pai. Como aquilo foi bonito de se ver! Pai e filho se abraçaram e todos começaram a aplaudir emocionados aquela cena inesquecível. As lágrimas corriam no rosto do pai ao ver que seu filho, se tornava ali um verdadeiro Militar.
Após esse momento tão bonito, continuamos andando em direção à orquestra. Chegando próximo à mesma, pra aumentar ainda mais minha felicidade naquele dia, avistei passando por ali o pelotão em que meu irmão estava. E como não poderia perder a oportunidade, comuniquei ao Sr. TenCel que aquele era meu irmão gêmeo. Aí não deu outra: Ele ordenou que todos parassem e que meu irmão viesse até nós. Aí veio ele (meu irmão), todo sério e com uma cara de assustado, se apresentou corretamente ao cmd, e este, em mais um gesto de humanismo e simpatia, disse para registrarmos aquele momento, pedindo para que a Sra. Tenente Henrilene, que estava conosco desde o início, tirasse fotos de nós dois juntos, e assim foi feito. Que dia maravilhoso, quanta alegria!
Após meu irmão pedir permissão para se retirar, dar meia volta e romper marcha para se ajuntar ao seu grupo, demos mais alguns passos e finalmente chegamos à orquestra, que já nos aguardava ansiosa. Emoticon grin O TenCel nos apresentou aos músicos (oficiais e praças), ao regente principal, Capitão PM (não me lembro o nome) e ao comandante da orquestra, outro TenCel, do qual também não me recordo o nome.
Após as devidas apresentações e algumas palavras muito bonitas dos comandantes e, especialmente, do Sr. Capitão (regente), a orquestra começou tocando aquela música do Star Wars, aquela ‘’tan tan taaan, tan tan tan taaaaan(…)’’ Nessa hora os ‘cabilin’ do braço já subiram de novo. Quanta perfeição e sincronismo desse pessoal! Depois de Star Wars tocaram, apenas TOCARAM, algumas faixas do filme Frozen (léri gôu, leri gôôôu), dentre outras.
E pra terminar com chave de ouro esse dia maravilhoso e um dos mais memoráveis que terei pro resto da vida, quando eu achava que tudo aquilo já estava demais e que não podia melhorar, o regente convidou um Soldado violinista que estava tocando a se levantar e cantar pra nós. Adivinhem qual foi a música escolhida por eles… Isso, foi essa mesmo: WE ARE THE CHAMPIONS, do Queen. Não preciso nem falar mais nada, né?!
Só tenho à agradecer a todos os PM’s que nos receberam tão bem naquele dia, que abriram e deixaram abertas as portas pra nós. Policiais que desmistificaram essa imagem que as pessoas têm de que a polícia é somente truculenta, repreensiva e etc. Nem todos são assim! Mostraram-nos que debaixo das fardas, das divisas ou estrelas no ombro, existem pessoas de bom coração, homens e mulheres que desempenham suas funções com afinco, que têm um papel importantíssimo e imprescindível à sociedade. Não são apenas profissionais que usam uma arma na cintura, são pessoas como todos nós, pessoas que querem e promovem a paz social.

Parabéns, irmão;
Parabéns, novos Soldados;
Parabéns, GLORIOSA PMMG!!!

Diego Bruno Alves Leite, irmão de um dos novos recrutas do CFSD 2016.

Fonte: Blog da Renata

Crédito da Foto: Plantão Policial MG.

2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *