No Distrito Federal, registros criminais de homicídios indicam redução de 25%, no primeiro quadrimestre de 2017.

No Distrito Federal, registros criminais de homicídios indicam redução de 25%, no primeiro quadrimestre de 2017.

13/05/2017 Atuação integrada de proteção 0
Compartilhar

Desafiados ao controle da violência e da criminalidade, os órgãos de segurança pública do Distrito Federal se empenharam no sentido de que suas respectivas atividades de proteção convergissem em favor da unidade de esforços, indispensável à integração operacional.

Comprovou-se, mais uma vez, que com a atuação integrada de proteção favorece-lhes alcançar resultados satisfatórios, após a análise do relatório sobre os registros realizados no Distrito Federal.

No portal da Polícia Militar do Distrito Federal, há, em seguida, informações sobre as conquistas evidenciadas na segurança pública daquela Unidade da Federação onde se localiza a Capital da República Federativa do Brasil.

Nesta quinta-feira (11), a Secretaria de Estado de Segurança Pública e da Paz Social divulgou o balanço do primeiro quadrimestre sobre a criminalidade no Distrito Federal. O relatório apontou queda em quase todos os crimes.
O comparativo com ano anterior demonstrou uma redução de 25% nos homicídios. Ações como apreensões de armas e abordagens policiais em áreas de grandes incidências contribuíram para a redução. Somente nos primeiros quatro meses, a Polícia Militar já apreendeu 819 armas de fogo, o que afetou diretamente na queda dos homicídios. Os números já representam mais de 50% das apreensões do ano passado. O relatório também apresentou redução dos índices de roubo a pedestres.
Outro ponto relevante que fez com que os resultados fossem positivos foram os atendimentos do Provid – Assistência da Prevenção Orientada à Violência Doméstica. A PMDF atendeu mais de mil famílias em 2017. O programa consiste em um policiamento orientado ao problema, o qual tem por objetivo o enfrentamento da violência doméstica, por meio de ações de prevenção, promovendo a segurança pública e os direitos humanos, realizando intervenções familiares com vítimas e agressores, encaminhando-os aos demais órgãos que compõem a rede de apoio e proteção.
Atualmente, 16 regiões administrativas são atendidas pelo programa. A meta é ampliar o atendimento para as demais regiões do DF, afirmou o comandante-geral da corporação, coronel Nunes. “Os números apresentados demonstram a boa relação entre as forças de segurança do DF”, concluiu.

Fonte: PMDF.

0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *