Policiais militares baianos protegem familiares e evita o auto extermínio de um cidadão, em Salvador-BA

 

Numa postagem publicada pela Polícia Militar do Estado da Bahia (PMBA), os profissionais baianos de polícia ostensiva e preservação da ordem pública agiram prontamente em favor da proteção das pessoas e na defesa da vida!

As informações dão conta de que os policiais militares baianos, nas mais diversas especialidades, atuaram, de forma integrada, nessa complexa ocorrência policial militar e obtiveram resultados bem-sucedidos.

Leias mais informações no post publicado, no portal da PMBA, e transcrito em seguida:

Após oito horas de negociação, policiais militares do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) da PM concluíram com êxito, por volta das 22h30 de segunda-feira (30), uma ocorrência complexa na qual um homem, esposo de uma policial militar, tentava tirar a própria vida com a utilização de uma arma de fogo no bairro de Cajazeiras, em Salvador.
No início da tarde de ontem a 3ª CIPM foi acionada, por meio do Centro Integrado de Comunicações (Cicom), e chegou ao local juntamente com uma equipe da Companhia Independente de Policiamento Especializado (Cipe) Polo. A PM isolou a área, garantiu a segurança da esposa e dos filhos do casal e acionou o Bope, que assumiu a negociação com o grupo tático e de atiradores de precisão, em caso de necessidade de intervenção emergencial.
Caracterizada com um grau de complexidade elevado, a PM também direcionou duas psicólogas do Departamento de Promoção Social (DPS) ao local diante da situação de instabilidade emocional do homem, que demonstrava extremo sentimento de culpa e sinalizava, a todo o momento, não ser merecedor de viver, descartando qualquer possibilidade de rendição.
O capitão Luiz Henrique, chefe da equipe de negociação do Bope, revelou que durante todo o processo de negociação o homem apresentava oscilações de comportamento. Além de apontar a arma contra a cabeça em diversas vezes, em duas oportunidades chegou a colocá-la dentro da boca com o dedo no gatilho.
“A ocorrência foi complexa, pois ele afirmava que jamais sairia do cômodo e descartava qualquer possibilidade de sair da situação preso. Mas durante a negociação ele revelou que, de 0 a 100, havia 1% de chance de se entregar e foi nesse 1% que trabalhamos exaustivamente nessas oito horas”, destaca o oficial do Bope.
Com a finalização da ocorrência, o marido da policial foi atendido por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), levado para uma unidade de saúde para ser medicado e conduzido em seguida à Central de Flagrantes.
Esta foi a segunda ocorrência atendida neste mês pela equipe de negociação do Bope com propenso suicida utilizando arma de fogo, e a 8ª desta natureza atendida desde a criação da unidade especializada, em 2014, sendo que todas foram exitosas na preservação da vida de todos os envolvidos.

 

Fonte: PMBA.

0

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*