Em Nova Serrana, Centro-oeste de Minas Gerais, a Polícia Militar operacionaliza o sistema “Olho Vivo”!

Em Nova Serrana, Centro-oeste de Minas Gerais, a Polícia Militar operacionaliza o sistema “Olho Vivo”!

04/05/2017 Dos serviços Inovação Tecnologia 0

Os profissionais de polícia ostensiva e preservação da ordem pública do 60º Batalhão da Polícia Militar contam com mais uma suplementação tecnológica. Assim, desde o último dia 3, os serviços policiais militares, em Nova Serrana, são inovados devido a um avançado sistema de vigilância e observação.

Resultante de um esforço político estadual e municipal que privilegia ações de proteção integrada, a projeção do sistema “Olho Vivo” considerou três etapas de instalações e duas delas já foram concluídas, incluindo a digitalização da comunicação via rádio. Na próxima etapa, “será a centralização do atendimento pelo telefone 190.”

A exemplo dos sistemas que funcionam em Belo Horizonte e na cidade de Governador Valadares, o de Nova Serrana ampliará significativamente a funcionalidade operacional, em função da vigilância e observação, conectividade e mobilidade técnico-tática.

Vigilância e observação

Na foto destacada anteriormente mostra o espaço onde funciona o centro de comando e controle. Nesse centro, além os policiais militares, haverá também funcionados cedidos pela Prefeitura Municipal de Nova Serrana.

Com as disponibilidades técnicas atuais, ampliaram-se, também, as possibilidades de dissuasão da prática criminosa, pois é possível visualizar as câmeras localizadas em 30 pontos, distribuídas segundo indicação estratégico-tática consequente de análises sistemáticas de dados registrados e das tendências evidenciadas.

Imagens captadas em locais públicos de Nova Serrana são transmitidas em tempo real a central de monitoramento da PM (Foto: Reprodução/TV Integração)

Conectividade oportuna

Uma das vantagens da vigilância é a possibilidade de uma única pessoa observar diversas localidades num curto espaço de tempo. Isso favorece, na maioria das vezes, observando-se a movimentação de prováveis suspeitos, antecipar-se a uma situação possível de agressão às pessoas ou aos patrimônios.

Então, num contato, via rádio, entre o centro de controle e uma equipe de serviço, a pé ou motorizada, consegue-se, em tampo hábil, uma radiotransmissão. Consequências dessas ações poderão evitar a prática criminosa ou uma pronta reposta devida pela Polícia Militar.

Policial militar recebe informações via rádio em Nova Serrana: sistema digitalizado impede espionagem por criminosos (Foto: Reprodução/TV Integração)

Mobilidade técnica e tática

Observada e distinguida a natureza e gravidade do evento, é possível, quando necessário, agilizar ações de recobrimento, se técnico e/ou tático, inclusive, visando realizar ações de polícia ostensiva bem sucedidas.

Outra vantagem da vigilância com câmeras é a possibilidade da gravação das imagens e vídeos dos locais onde ocorrem eventos criminosos, principalmente, que têm sido utilizados nos esclarecimentos das ações criminosas e imputação de culpados.

Nesse entendimento, seguem-se as opiniões do:

    • Comandante Geral da PMMG

De acordo com comandante-geral da PM, Helbert Figueiró, os equipamentos ficam em locais onde o fluxo de pessoas, veículos e incidência de crimes são maiores.
“Detectando algum movimento estranho, fora do normal, o pessoal aciona o PM na central, que vai retransmitir às viaturas por meio do rádio. Se as câmeras gravarem algum crime, as imagens poderão ser usadas como prova contra o suspeito e a Justiça poderá se basear nelas para emitir a condenação”, contou.

    • Comandante do 60º

Para o tenente coronel Wemerson Lino Pimenta, comandante do 60º BPM, o “Olho Vivo” aumentará a eficácia operacional, pois:
“Com isso, nós temos mais segurança nas comunicações. Antes da digitalização, os criminosos conseguiam copiar a nossa rede de rádio. Conseguiam acompanhar as ações da PM usando rádios simples e fáceis de serem comprados em qualquer lugar. Com a rede criptografada, eles não conseguem mais nos acompanhar”, explicou.
“Isso vai permitir que os municípios vizinhos não precisem ter um militar lá na sede do pelotão apenas para atender aos chamados. Desta forma, poderemos liberar esse policial para atividades na rua, mais próximo da comunidade. Permitirá também maior coordenação e controle de cercos e bloqueios, de empenho de viaturas e ocorrências de maior gravidade”, concluiu.

Fonte: PMMG e Portal G-1.

1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *