Proteção brasileira “a la nova-iorquina”

 

No “SóNotícias”, há uma postagem — O Matador de Policial — cuja autoria é atribuída ao Jornalista Alexandre Garcia.

No texto de três parágrafos, o autor faz considerações extraordinárias!

Enfatiza, no primeiro parágrafo, o despautério praticado na justiça brasileira, notadamente o “indulto de Natal”, instituto protagonista dos desencontros e desentendimentos dos Poderes da República; depois a mortalidade policial registrada, no Rio de Janeiro, e ignorada pela maioria dos brasileiros. Citou o ato condenatório de “um tribunal de Nova Iorque”, que sentenciou “à prisão perpétua, sem direito a saidões, indultos, progressão de pena ou liberdade condicional, o matador de um policial”, assim declarando:

Pelo assassinato do policial Brian, que estava em serviço, a sentença do tribunal é prisão perpétua. Toda a vida, sem liberdade condicional. Para tornar mais simples para o seu cérebro comprometido, você vai morrer na prisão. Nunca mais irá respirar ar puro fora do aço e do concreto de uma prisão do Estado de Nova Iorque. Essas sentenças são aplicadas juntas, consecutivas com cada uma. Em adição aos 300 dólares de sobretaxa obrigatória, uma taxa de 25 dólares para o sistema de assistência às vitimas de crimes, uma taxa de 50 dólares de registro de DNA, todas a serem pagas pelo condenado. Cientifico seu advogado do direito de recorrer e de tirar sua cara com esse sorriso cínico fora deste Tribunal.

Evidenciou, no segundo parágrafo, como se pratica a justiça “na maior democracia do planeta” e como são tratados os “matadores de policiais.” Mas, aqui, assiste-se ao velho filme da “corrupção institucionalizada no topo” (A imagem de mais de 50 milhões do dinheiro de Geddel fala por si, sobre a corrupção generalizada.) E, a isso, soma-se uma criminalidade narcotraficante que esfrangalha tudo e todos, submetendo crianças, adolescentes e famílias inteiras ao poderio nefasto. Corrupção política e narcotráfico tudo fazem para deixar o Estado Legal igualmente esfrangalhado! É o Estado sem ordem. Não há ordem legal, jurídica, ideológica ou pública! Assim, não se difere o que é crime político, crime comum ou crime ideológico. Tudo, “farinha do mesmo saco!”

No final, mostra a situação paupérrima que se encontram os meios e as medidas de proteção estatal e que têm o dever de assegurar proteção às pessoas e suas comunidades. Quais garantias e direitos são devidas e repassadas aos profissionais que se qualificam para tal mister? E, não se cogita, nenhum momento, desviar-se dos deveres e das responsabilidades. Ao contrário, nãos se compactua com violências desviantes. E, aos culpados, a Força da Lei! Mas, escassos os recursos mínimos, há possibilidades de violências derivadas. Quem será o culpado?

É o nosso Brasil. Rico país de belezas naturais, desde que foi descoberto! De gente boa e esperançosa. Mas, sempre teve governança repleta de hediondez! Por isso, tratam pessoas iguais, desigualmente… E, exceto sobre os direitos devidos e administrados pelas instituições militares estaduais, não sabemos o que aconteceu com policiais militares tombados em serviço. Mas lá, em Nova Iorque:

[…] Quando o policial Brian foi morto em Nova Iorque, a porta de sua casa ficou cheia de flores; o prefeito visitou a família; as honras fúnebres foram de herói; o condenado pagou uma taxa para o fundo de assistência às vítimas. Por aqui, os valores estão invertidos.

Por outro lado, sempre se exige, do policial militar brasileiro, comportamento semelhante ao do policial que atua em Nova Iorque. Mas, não se vê, por aqui, decisões políticas de segurança pública iguais as que são tomadas pela liderança nova-iorquina.

Com as informações do SóNotícias

0

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*